Revendedora: descubra como fazer fluxo de caixa com eficiência

Como fazer fluxo de caixa 00é sempre um desafio. Seja no âmbito de uma grande empresa ou residencial, encontrar o equilíbrio entre o dinheiro que entra e o que sai requer organização e disciplina.

Para quem lida com mais de um orçamento, como as revendedoras, a situação é um pouco mais crítica. Nesse caso, é necessário ajustar receitas e despesas nas duas pontas para não ficar no prejuízo, além de saber como fazer fluxo de caixa.

Confira, neste post, três dicas que vão ajudá-la nessa tarefa. Verá que, com elas, dá para aproveitar os benefícios da renda extra com mais tranquilidade! Confira!

Separe a conta pessoal da profissional

Se você trabalha com vendas diretas, já deve ter enfrentado, pelo menos uma vez, o desajuste entre o valor que tem a pagar e o que tem a receber. Esse é um problema recorrente que afeta desde grandes empreendimentos a pequenos negócios.

O que está por trás dessa situação parece fácil enxergar, mas nem sempre é tão evidente assim. Para ter uma clareza maior, você precisa conhecer o ciclo financeiro do seu negócio. Isso quer dizer que precisa entender os prazos entre as contas a receber para evitar um desarranjo que, em pouco tempo, tende a virar uma bola de neve.

Tudo fica ainda mais complicado quando a sua conta pessoal está atrelada a esse problema. Daí, para a bola de neve se tornar uma avalanche, é um passo.

Embora não pareça tão necessário, dividir a receita pessoal da receita obtida com revendas, por exemplo, é fundamental. Observe que uma fonte de renda principal, como um emprego formal, é diferente da renda extra.

O orçamento das vendas diretas é distinto porque ele não se baseia apenas nos ganhos, mas também nas despesas que você tem com a compra de mercadorias que serão revendidas. Assim, o nível de controle é um pouco maior.

Quando a sua fonte de renda principal se mistura com a extra, cria-se a ideia que o saldo total dará conta de todas as despesas, sem levar em consideração que os prazos são distintos.

E é aí que o orçamento começa a desandar, pois a tentação de usar o seu dinheiro particular para compensar despesas do empreendimento é grande. O contrário também ocorre se você está com um problema financeiro pessoal e, então, busca recursos da receita das revendas antes mesmo de receber de todos os compradores ou de pagar os seus fornecedores.

Quando você desfalca o orçamento da renda extra, pode começar a enfrentar outros desafios além desses, como o fato de perder a oportunidade de adquirir produtos ofertados em condições mais vantajosas pelo fornecedor.

Portanto, comece o quanto antes a separar as duas contas e a fazer controles específicos para cada uma delas. Se possível, abra uma conta bancária, nas modalidades menos onerosas — como poupança, conta fácil ou digital — para controlar somente as finanças da renda extra.

Dessa forma, você apenas repassará o lucro obtido para a sua conta pessoal, evitando cair na tentação de compensar as despesas particulares com o dinheiro das vendas ou, ainda, de bancar atrasos de recebimento da revenda com seu saldo pessoal.

Reserve dinheiro para imprevistos

Como foi possível perceber, boa parte dos problemas de orçamento começam quando surgem imprevistos. Na tentativa de solucioná-los, cai-se na armadilha de misturar recursos para compensar possíveis desfalques. Para ter as finanças sempre em dia, isso tem que ser evitado.

A melhor saída para esse desafio é ter sempre uma reserva de dinheiro, que poderá socorrer você nas situações inesperadas. Por isso, considere a provisão ao pensar em como fazer fluxo de caixa. Este processo registra, de um lado, os ganhos e, do outro, as despesas.

Para verificar o seu saldo final, é preciso subtrair os gastos das receitas. Se você obteve um ganho de R$ 1.000,00 e teve um custo de R$ 600,00 com a compra de novas mercadorias para revenda — ou com o pagamento dos produtos adquiridos no mês anterior —, então, seu saldo final (lucro) será de R$ 400,00.

Caso você usufrua de todo o lucro, estará zerada no mês seguinte. Basta que um comprador atrase o pagamento devido para desequilibrar tudo. Por isso, é interessante que, todos os meses, você pegue parte do lucro para fazer uma reserva.

Defina um percentual a ser guardado mensalmente e cumpra essa regra rigorosamente. Por exemplo, se você estabelecer que 30% do seu lucro vai para a reserva, significa que daquele saldo de R$ 400,00 será necessário retirar R$ 120,00 para imprevistos. Seu lucro, ao final, será de R$ 280,00.

No mês seguinte, não importa qual será o resultado das operações. Se entre receitas e despesas sobrou apenas R$ 100,00, você deve retirar os 30% que se comprometeu a reservar. Seu lucro será de R$ 70,00; e os R$ 30,00 da reserva vão se somar à reserva do mês anterior.

É importante fazer disso um hábito. Pode parecer, a princípio, menos vantajoso. Mas lembre-se que esse cuidado é imprescindível para evitar descontrole no orçamento.

Outro ponto importante é que você pode aplicar o dinheiro da reserva, afinal, nunca é recomendado deixar dinheiro parado. Portanto, procure colocá-lo na poupança ou em outro investimento que tenha liquidez diária — pode ser resgatado a qualquer momento — e baixo custo de administração.

A vantagem é que, de tempos em tempos — a cada um ano, por exemplo — você pode resgatar o valor investido. Só tome cuidado para não pegar todo o dinheiro reservado! Deixe, ao menos, o percentual que você se propôs a guardar todos os meses.

Use planilhas práticas

Chegamos, de fato, na ferramenta que vai ajudar você a colocar as contas em dia. O recurso mais utilizado é o Excel, que permite criar planilhas de controle de orçamento e que traz funções automáticas para os principais cálculos envolvidos no fluxo de caixa, como soma e subtração.

Também é possível buscar aplicativos ou planilhas prontas, que já estão elaboradas para você fazer seus registros.

O importante é que seja uma planilha simples e prática, que contenha os principais elementos de verificação do orçamento e que ofereça a possibilidade de fazer previsão de receitas e despesas.

Dicas importantes:

  • registre as movimentações de caixa diariamente;
  • tenha um bom relacionamento com clientes, mas não deixe de cobrar devedores;
  • faça projeções, como valores e datas de contas a receber e a pagar, e acompanhe-as;
  • comprometa-se com a reserva mensal;
  • evite usar o dinheiro pessoal para cobrir déficits do negócio;
  • evite usar o dinheiro do negócio para cobrir déficits pessoais;
  • em caso de problemas no orçamento, tente identificar a origem — você pode estar demorando muito tempo para receber dos compradores ou pagando fornecedores com elevada antecedência, e isso pode levar a desarranjo nos fluxos de recebimento e pagamento.

Pronto, você já sabe como fazer fluxo de caixa e está mais perto do sucesso financeiro. Ficou com alguma dúvida? Deixe nos comentários ou aproveite para contar como você costuma controlar o próprio orçamento!

Total
9
Shares

Receba Novidades

Inscreva-se em nossa newsletter